terça-feira, 31 de março de 2009

Cresce no PT a tendência à candidatura própria

Zeca pode ficar isolado na disputa pelo PT

FM PAN - Alex Mello

O ex-governador Zeca do PT recuou em 2007 de disputar a presidência regional do PT, convencido por aliados que preferiam que ele e o senador Delcídio do Amaral se unissem em torno de uma única candidatura ao invés de se enfrentarem. Mas, desta vez, não fará o mesmo, dizem pessoas próximas.

"Ele já reafirmou o interesse em disputar a presidência. Não tem mais volta. Vai ter disputa", afirma o deputado estadual Paulo Duarte (PT) que defendeu o recuo de Zeca em 2007. "Não vou pedir de novo para ele desistir", assegura.

Duarte garante que vai trabalhar pela eleição de Zeca do PT a presidente da legenda. Porém, sabe que o ex-governador conta hoje apenas com o apoio de seu próprio grupo, o CNB (Construindo um Novo Brasil).

O deputado chegou a trabalhar por uma aproximação entre Zeca e Delcídio em fevereiro, mas não obteve êxito e acabou se desentendento com o próprio Zeca.

Pelo menos cinco correntes da legenda já definiram trabalhar pela reeleição do atual presidente, deputado estadual Amarildo Cruz que desde o princípio se recusou a discutir a possibilidade de abrir mão da candidatura em favor de Zeca do PT.

As correntes PT em Primeiro Lugar, Movimento PT, PT de Lutas e Massas, Democracia Socialista e Esquerda Viva estiveram juntas na eleição de Amarildo e agora sinalizam caminhar juntas novamente para reelegê-lo.

Ontem, o deputado federal Antônio Carlos Biffi explicou que lideranças destas correntes querem a reeleição de Amarildo, mas não excluem Zeca do PT do projeto desde que ele aceite que o candidato seja o atual presidente.

Mas, Duarte explica que Zeca do PT tem como objetivo chegar à presidência do PT para articular sua candidatura ao governo do Estado. "Ele entende que só eleito presidente do partido terá legitimidade de conversar com partidos aliados", explica.

O também deputado estadual Pedro Kemp, da corrente Articulação de Esquerda discorda do ex-governador. "Acho que ainda há tempo para procurar um terceiro nome para unir os grupos de Zeca do PT e Delcídio do Amaral", avalia.

A Articulação de Esquerda ainda não definiu seu posionamento nas eleições internas. "Devemos nos reunir em abril", disse Kemp. Porém, o deputado esclarece que a corrente deverá pender para o grupo que estiver mais firme na defesa da candidatura própria ao governo do Estado nas eleições de 2010.

"Vejo que no grupo do senador Delcídio há alguns andrezistas. Nós da esquerda não queremos nos aliar ao PMDB, mas sim disputar o governo", afirma.

Midiamaxnews

domingo, 29 de março de 2009

‘O PT está mais unido do que pensam’, diz Delcídio Amaral


Midiamax

"O PT está mais unido do que se pensa”, disse o senador Delcídio do Amaral (PT) que ontem por volta das 17h foi à sede da PF (Polícia Federal), em Campo Grande, para acompanhar o andamento das investigações sobre o Caso Agehab, tido como um falso complô que teria como objetivo dividir o partido.

O parlamentar fez questão de frisar, entretanto, que ainda não conversou com o ex-governador Zeca do PT, com quem divide o partido no Estado. “Não tive conversa com o Zeca, não”.

Após cumprimentar desde o carteiro dos Correios que deixava o prédio até os agentes que estavam à espera dele no saguão da Superintendência da PF, o senador foi recepcionado pelo delegado Anderson Pereira dos Santos. “Vim à PF porque já havia pedido para falar com o delegado”, explica.

Santos foi acionado pelo senador e pelo deputado federal Vander Loubet (PT) para apurar o porquê do golpista Ademar Mariano ter dito a policias rodoviários federais - e depois mudado a versão - que haveria um complô cujo objetivo era fraudar o processo eleitoral do PT.

Mariano foi preso no dia 15 de março na BR-262, em Terenos, com carteira de identidade falsa, e revelou ser o chefe de um esquema de venda ilegal de casas da Agehab (Agência Estadual de Habitação).

Preso do regime semiaberto, ele disse que vendia ilegalmente as casas da Agehab a mando de Loubet, que é sobrinho de Zeca do PT, facilitava casas para filiados do PT e dizia que era parte da campanha de Delcídio nas eleições internas da sigla. No caso, um complô contra o senador.

Depois, Mariano disse que mentiu e que usou o nome de políticos e policiais porque sofreu tortura psicológica. Teriam prometido lhe dar liberdade se lhe contasse ‘tudo’.

O senador disse ao Midiamax que exige uma apuração dos fatos e não vai processar Mariano. O estelionatário era conhecido de Delcídio em Aquidauana.

Ele já conhecia Ademar Mariano, tido como um dos chefes do esquema. Em coletiva à imprensa, ele o mencionou como “agente político”.

Mariano, disse o parlamentar, ia de gabinete em gabinete atrás de pequenas ajudas, sacolão uma delas. O senador contou ainda que em 2001, sua mãe teria ajudado Mariano no projeto de construção de um asilo em Aquidauana.

O problema gerou uma crise dentro da PRF. Um processo administrativo foi instaurado para identificar como vazou para a imprensa o Caso Agehab.

Sobre o risco de penalizar os policiais que alegam ter cumprido o que preconiza a função, o senador disse: “A única preocupação é acabar culpando o mordomo e o mocinho virar bandido”.

Na semana retrasada, quando o presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini esteve em Campo Grande para eventos internos com os petistas, ele chamou o caso Agehab de história “muito estranha”.

“Não interessa ao Delcídio, nem ao Vander. Esperamos que a polícia descubra o que realmente aconteceu”. Delcídio e Loubet chegaram juntos ao evento na sede do PT regional e esclareceram que não acreditam em complô arquitetado dentro do PT. Eles afirmaram que se alguém agiu para rachar a legenda, o efeito será o contrário.

sexta-feira, 27 de março de 2009

MS: Wilson de Carvalho é o novo Presidente Estadual do PC




Assessoria de Comunicação PC/Nacional

Wilson de Carvalho, brasileiro, nascido em 19/07/1957, 52 anos, cristão, casado com Wanderléia José Dias de Carvalho, radialista, morador em Aquidauana – MS, cidade Portal do Pantanal.

Wilson de Carvalho é paulista, natural de Assis – São Paulo. Atuou como gerente de cinema na Rede Teatral Peduti com sede em Botucatu/SP.

Em 1978 foi transferido para Campo Grande, oportunidade em que assumiu a gerência de dois cinemas da cidade.

Atuou por mais de 7 anos como repórter na TV Campo Grande afiliada do SBT.

Apresentou programa diário na Rádio Cultura/AM de Campo Grande para em seguida assumir a direção do Departamento de Jornalismo da Rádio Educação Rural de Campo Grande, emissora católica, ficando encarregado da cobertura oficial da visita do Papa João Paulo II ao Mato Grosso do Sul.

Foi candidato a vereador pelo PTB na chapa que elegeu vereador o atual prefeito de Campo Grande Nelson Trad Filho.

Desempenhou a função de mestre de cerimônia na gestão de dois prefeitos da Capital, Juvêncio Cesár da Fonseca (PMDB) e Ludio Coelho (PSDB).

Como locutor apresentou diversos eventos artísticos e grandes shows em Campo Grande.

Em Aquidauana atuou na articulação da candidatura do prefeito Raul Freixes, na coordenação de campanha do deputado estadual Roberto Orro, participou ativamente da eleição e reeleição do prefeito Felipe Orro.

Foi secretário administrativo da Câmara Municipal de Aquidauana, chefe de gabinete da Prefeitura Municipal de Aquidauana e Assessor de Comunicação Social.

Wilson de Carvalho foi presidente do PST e secretário do Diretório Municipal do PDT em Aquidauana, coordenou o jornalismo da FM PAN em Aquidauana durante pelo menos 5 anos, além de produzir e apresentar programas musicais.

Durante um ano, Wilson de carvalho foi o articulador do blog Dú Carvalho e ainda atuou como mestre de cerimônia na gestão de três prefeitos.

Durante três anos, Wilson de Carvalho foi redator chefe do jornal diário Noticias do Estado com sede em Aquidauana e que circula em 21 municípios da região sudoeste de Mato Grosso do Sul.

Atualmente Wilson de Carvalho é Assessor Parlamentar Especial da Presidência da Câmara Municipal de Aquidauana e editor chefe do site de noticias Aquidauana News desde junho de 2002 - (www.aquidauananews.com).

Wilson de Carvalho ainda integra a diretoria da ACEA - Associação Comercial e Empresarial de Aquidauana.

Ao assumir a direção estadual do PC em Mato Grosso do Sul, Wilson de Carvalho terá a missão de estruturar o partido no Estado, valorizando cada membro e sua família, estabelecendo parcerias profícuas com seriedade e determinação.

O Partido Cristão - PC propõe uma revisão dos valores éticos e morais da vida pública brasileira, baseando-se na “Declaração Universal dos Direitos Humanos”, adotada pela ONU (Organização das Nações Unidas), na resolução 217 A (III), de 10 de dezembro de 1948, e na Democracia Cristã.

Contatos:


Sr. Wilson de Carvalho
Telefonia móvel (067) 9908.2687
E-mail: ducarvalho@terra.com.br
End: Rua Antonio Nogueira, 1527
Bairro da Serraria – Aquidauana - MS

www.aquidauananews.com

http://www.partidocristao.com/

quinta-feira, 26 de março de 2009

André amplia vantagem na disputa pela reeleição em 2010

FM PAN - Redação

A caminho da disputa eleitoral em 2010, o governador André Puccinelli é líder com mais de 25 pontos percentuais à frente do segundo colocado na intenção de voto do eleitor. Segundo pesquisa do Ipems (Instituto de Pesquisa de Mato Grosso do Sul), em todos os cenários apresentados ele venceria com larga vantagem, caso as eleições ocorressem agora.

Diante da possibilidade de enfrentar o ex-governador Zeca do PT, a senadora Marisa Serrano (PSDB) e o ex-deputado federal Pedro Pedrossian Filho (PMN), Puccinelli seria eleito com 48,35% dos votos.

Os três adversários foram relacionados pelo Ipems por serem os indicados até o momento como possíveis candidatos em 2010.

Nesse cenário, Zeca seria o segundo colocado – com 22,95%, Marisa teria 12,10% e Pedrossian Filho 5,20%.

O governador aparece na frente tanto na Capital (47,17%), quanto no interior (49,02%) e lidera em 33 dos 40 municípios pesquisados. Em Dourados, o peemedebista alcança uma das maiores diferenças em relação ao segundo colocado, com 58,12% dos votos, contra 17,28% do rival petista.

A região sul é a de melhores resultados para Puccinelli, onde ele atinge recordes como 77% da preferência em Itaquiraí e 73,33% em Iguatemi.
Zeca é o único a aparecer na liderança em alguns pontos do Estado, especialmente na região do Pantanal, como Corumbá, onde teria 39,56% contra 37,36% de Puccinelli.

O ex-governador também leva vantagem em Maracaju – 39,39% (PT) contra 33,33% (PMDB); Jardim – 36% (PT) contra 32% (PMDB); além de Anastácio – 33,33% (PT) contra 29,16% (PMDB); Rio Verde – 52,63% (PT) contra 36,84% (PMDB); Camapuã - 41,18% (PT) contra 35,29% (PMDB); e Ladário - 62,50% (PT) contra 31,25% (PMDB).
O levantamento foi o segundo deste ano, feito em parceria com o Campo Grande News e a rádio FM Capital. Desde janeiro, data da primeira, a vantagem entre Puccinelli e Zeca do PT aumentou 5 pontos percentuais.

Avanço - Pesquisa aplicada de 21 a 29 de janeiro de 2009 mostrava Puccinelli com 47%, contra 27,17% do petista, e 15,56% da senadora tucana em intenções de voto.

No entanto, o número de indecisos cresceu ligeiramente em março, passando de 5,39% para 6,40%, assim como os que disseram não votar em nenhum dos candidatos apresentados, índice que há dois meses atingia percentual de 4,72% e agora é de 5%. Isso, mesmo com a inserção de um terceiro nome na lista, o de Pedrossian Filho.

O levantamento recente foi realizado no período de 13 a 20 de março de 2009.
No embate direto entre o atual e o ex-governador, a diferença entre os dois sobe para 30 pontos percentuais, segundo projeção do Ipems. André tem 58,10%, contra 28,10% do petista.

Mas Zeca ainda é o principal adversário para 2010, aponta o levantamento. No cenário em que a disputa de Puccinelli é com Marisa Serrano, ele surge com 58,20%, contra 19,80% da senadora.

Na estimulada com Pedrossian Filho, o governador tem 62,05% e o possível candidato do PMN atinge 14,60%.

Em relação aos votos válidos, com os 4 na disputa, a vantagem de Puccinelli sobe. Ele aparece com 54,57%; Zeca fica com 25,90%; Marisa tem 13,66% e Pedrossian Filho 5,87.

CG News

terça-feira, 24 de março de 2009

Jogo Aberto: Delcidio prepara time para enfrentar Zeca

Voz da sabedoria


Questionado sobre as articulações do PDT visando às eleições de 2010, o presidente do partido, deputado Ary Rigo, fez uma declaração de político experiente: “todo acordo feito cedo, é acordo para não ser cumprido”.

Ressuscitou


Quem é vivo sempre aparece: presidente regional do PP, o deputado federal Antônio Cruz, que andava completamente ausente dos atos públicos, principalmente do governo, resolveu dar o ar da graça durante assinatura de convênios na Capital.
O retorno


Outro que “ressurgiu das cinzas”, no mesmo evento, foi o ex-vereador Robson Martins, que deve sair candidato a deputado em 2010. Ele havia tomado “chá de sumiço” após envolvimento em caso de exploração sexual de adolescente, em que foi absolvido.

Direto ao ponto


Prefeito de Dourados, Ary Artuzi (PDT) arrancou risos dos jornalistas ao falar sobre qual foi a pior herança recebida da administração anterior. Foi curto e grosso na resposta: dívida e buraco.
Brasileiro


Presidente da Assembléia, Jerson Domingos (PMDB) disse que não há possibilidade de André Puccinelli ser candidato único em 2010. Nem que Suél Ferranti (PSTU), que marca presença em todo pleito eleitoral, tenha que ser seu único adversário.

Desatento


Ex-presidente da Assembléia, Londres Machado (PR) provou que estava com a cabeça nas nuvens ontem. Sem perceber, passou lentamente pelo meio de uma roda de jornalistas que entrevistavam o governador André Puccinelli.
Cômico


O engraçado foi que o governador parou a entrevista para acompanhar a passagem de Londres, seu rival político declarado. Disse: “olá, tudo bem?”, mas o ex-presidente da Assembléia estava tão distraído, que só respondeu bem depois.

Traçando metas


O senador Delcídio do Amaral (PT) deve reunir seu grupo político no próximo sábado. Eles estão preocupados com o processo interno de escolha do presidente do partido, que acontece em novembro, quando devem encarar Zeca do PT.
Alternativas


O grupo de Delcídio tem três opções para disputar o controle do diretório: apoiar a candidatura do deputado federal Antônio Carlos Biffi, a reeleição de Amarildo Cruz ou lançar o nome do próprio senador para o cargo.

Sonho meu


O senador Valter Pereira (PMDB) admitiu que sempre sonhou em ser prefeito de Campo Grande, mas que a oportunidade passou. “Cavalo se monta encilhado, em pêlo duro, é muito complicado”, comparou.

segunda-feira, 23 de março de 2009

PMDB vai esperar decisão nacional para discutir aliança

A Executiva Estadual do PMDB decidiu hoje, em Campo Grande, esperar a posição da direção nacional do partido para discutir eventuais alianças para a eleição estadual de 2010. A informação é do deputado federal Waldemir Moka, presidente regional da legenda.

Com a presença do governador André Puccinelli, os dirigentes peemedebistas avaliaram que “é improdutivo antecipar um debate que depende da decisão nacional”. Moka diz por exemplo que existe até a possibilidade do PMDB ter candidato próprio a sucessão do presidente Lula.

“Nesta situação, não teríamos como coligar, aqui em Mato Grosso do Sul, com o PT e o PSDB, que certamente teriam candidatos próprios”, avalia o deputado federal, lembrando que as coligações, com o PMDB com candidato, só seria possível com partidos que não tivessem candidato.

Num outro cenário, Moka admite a possibilidade de aliança com o PT, “apesar das divergências históricas entre as duas legendas”, recorda para acrescenta que coligação também poderia ser feita com o PSDB, que no caso de Mato Grosso do Sul convive melhor com o PMDB, sendo inclusive atuais aliados no governo do Estado.

Outra hipótese, informa Moka, é o PMDB nacional liberar a legenda para decidir seu destino nos Estados. “Como eu venho dizendo, não adianta antecipar o processo eleitoral, decisão só em 2010”.

Congresso

Na reunião de hoje, que contou com a presença dos deputados federais Geraldo Resende, Nelson Trad, o senador Valter Pereira, do deputado estadual Júnior Mochi, do secretário de Habitação, Carlos Marun, entre outros dirigentes partidários, foi discutido a realização de um congresso estadual até 30 de abril.

O partido vai ouvir seus filiados para subsidiar a direção nacional na elaboração do novo programa estatutário da legenda. O PMDB, segundo Moka, já cumpriu sua principal tarefa, a redemocratização do país, e agora precisa encampar novas lutas.

Mato Grosso do Sul, informa o deputado, quer incluir no programa nacional do partido a defesa do meio ambiente que não afete o desenvolvimento do Estado, discutir a demarcação das terras indígenas, oferecer sugestões para um programa habitacional no país e a questão da água, já que o Estado possui uma das maiores reservas de água potável do mundo.

Campo Grande News

quarta-feira, 18 de março de 2009

André Puccinelli e Dilma: PT vê cilada e PSDB, jogada

Midiamax

PT e PSDB sempre estiveram em campos opostos em Mato Grosso do Sul. Na Assembleia Legislativa, o primeiro é oposição, enquanto o segundo é aliado ao governo. Porém, estão de acordo quando o assunto são as eleições de 2010.

Nenhum dos dois acredita que a paquera do governador André Puccinelli (PMDB) à ministra-chefe da Casa Civil Casa Civil, Dilma Rousseff, tenha continuidade no ano que vem.

Os petistas avaliam que o governador está, na verdade, tramando uma cilada para o partido no Estado. A ideia é sinalizar com a possibilidade de composição até minar a intenção petista de lançar candidato próprio ao governo.

Daí para frente, o enredo é previsível. Vai fechar com o PSDB e dar às costas ao PT que, despreparado, não vai incomodar nas eleições.

O PSDB, por sua vez, assegura que nem sentiu os brios mexerem com os galanteios de André a Dilma. Para os tucanos, André oferece palanque porque quer o óbvio: recursos federais, necessários, inclusive, para que ele tenha resultados a apresentar na campanha eleitoral.

"Talvez ele se sinta inseguro de demonstrar uma posição favorável a nós e ver a fonte lá em cima secar", analisa o presidente regional do PSDB, deputado estadual, Reinaldo Azambuja que vai brigar para ter o apoio de André Puccinelli para o presidenciável do PSDB.

Cilada política

No PT, o primeiro a chamar a atenção para a possibilidade de ardil eleitoral de André Puccinelli foi o deputado estadual Pedro Teruel (PT). Porque ele mesmo viveu experiência semelhante.

Foi Teruel quem representou o partido na disputa pela prefeitura de Campo Grande em 2008. "Não podemos deixar, de novo, para construir uma candidatura na última hora", sugere.

No ano passado, também havia a expectativa do PT se aliar ao PMDB de Nelsinho Trad. Um grupo do PT se deixou seduzir pela possibilidade de aliança e não colaborou com o fortalecimento de candidatura própria.

O período de indefinições teve vexames marcantes para a militância petista, como uma declaração do governador André Puccinelli meses antes das eleições. "O PT se oferece ao PMDB até de forma impensada", disse.

Outro defensor da candidatura própria Pedro Kemp diz que em 2008 "o PMDB ficou cozinhando o PT e depois soltou na bangela".

"Acho que o PT não pode cair neste canto da sereia. Tem que se preparar para a candidatura própria", diz. Vale ressaltar que o PT já aprovou, em plenária, indicativo pela candidatura própria no Estado.

O presidente regional do PT, deputado Amarildo Cruz também duvida das intenções de André em relação à Dilma. "Na verdade, o que ele sente é constrangimento. Ficava o tempo todo chamando de fada madrinha, e agora que ela é pré-candidata não sabe o que fazer", analisa.

Fiéis amigos

"Tudo faz parte de um jogo do governador. No final ele vai ficar com aqueles que sempre foram fiéis a ele", resume o deputado estadual Rinaldo Modesto (PSDB).

Outro deputado estadual do PSDB, Márcio Fernandes, também acredita em um desfecho feliz para os tucanos. "No momento não está se discutindo eleição. Não se pode fechar alianças com ninguém. No final ficará conosco", prevê.

Além da afinidade política de anos, Reinaldo Azambuja, presidente do PSDB, acrescenta ainda um outro ponto que, por si só afastaria o PT local de André.

"O governador está conversando lá em cima, mas quem decide é o PT daqui. Eles são muito dividos, não conseguiriam unidade interna suficiente para aprovar uma aliança com o PMDB. Então tudo ficará como está, cada um seguirá seu caminho. Já o PSDB não se divide. Vai entrar inteiro na campanha de André", finaliza.

segunda-feira, 16 de março de 2009

Berzoini discute os rumos do PT no Estado na sexta-feira

O presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, vem a Mato Grosso do Sul na próxima sexta-feira para discutir com as principais lideranças do partido sobre o cenário político no Estado, eleições internas e a disputa eleitoral do ano que vem.

A chegada de Berzoini a Campo Grande está prevista para as 10h30. A primeira agenda do presidente é a coletiva de imprensa marcada para as 11h, na sede do Diretório Regional.

Em seguida, às 11h30, Berzoini participa de um debate interno com integrantes do PT, também na sede do partido.

O tema discutido será “Tarefas do PT diante da crise internacional, o Governo Lula, as eleições 2010 e o PED (Processo de Eleições Diretas)”.

Participam do debate lideranças políticas, membros dos diretórios municipais e do regional, deputados estaduais e federais, vereadores e prefeitos do partido.

Às 13h, o presidente nacional do PT almoça com autoridades políticas locais.

A última vez em que Berzoini veio ao Estado, foi em setembro de 2008, durante a campanha eleitoral.

CG News

sábado, 14 de março de 2009

09:31 - Jogo Aberto - Puccinelli já conta derrota em Corguinho

Clique no LINK abaixo, para ler a matéria

http://www.campogrande.news.com.br/canais/jogo/

quinta-feira, 12 de março de 2009

Delcídio viabiliza 7 ônibus para municípios do interior

Danúbia Burema
O senador Delcídio do Amaral (PT/MS) viabilizou junto à Receita Federal sete ônibus para municípios do interior do Estado. Os veículos foram apreendidos em operações de combate ao contrabando e serão destinados ao transporte de estudantes e de pacientes de sete municípios de Mato Grosso do Sul.

De acordo com o senador, prefeitos do interior do Estado fizeram no ano passado a solicitação dos ônibus. Para conseguir os veículos, ele fez o pedido junto à Secretária da Receita Federal, Lina Maria Vieira.

O pedido do senador foi atendido e basta que os prefeitos entrem em contato com a Delegacia da Receita no Paraná, onde estão os ônibus, para providenciar a entrega.

Os municípios que serão beneficiados são: Paranaíba, Aparecida do Taboado, Cassilândia, Naviraí, Costa Rica, Chapadão do Sul e Selvíria.

segunda-feira, 9 de março de 2009

Vander diz que eleição interna será plebiscito para 2010

CG News

No entendimento do deputado federal Vander Loubet (MS), a eleição interna pelo comando do diretório do PT de Mato Grosso do Sul será um plebiscito pela candidatura própria.

Sobrinho do ex-governador Zeca do PT, Vander afirma que haverá disputa pelo comando do partido e quem for favorável à candidatura própria irá votar no tio dele, candidato ao governo do Estado.

“Nunca fui contra aliança, mas neste momento o PT tem que ter candidatura própria sob risco de sucumbir”, afirmou em entrevista nesta manhã à FM Capital. “Quem está do lado do Zeca, está defendendo a candidatura própria”, acrescentou.

Vander demonstra muita confiança na vitória do ex-governador. “Ele vai ser presidente do partido”, disse.

São pré-candidatos a presidente do diretório regional: Zeca e o deputado estadual Amarildo Cruz, que concorre à reeleição. Mas até o PED (Processo de Eleições Diretas), é provável que a disputa conte com outros candidatos ao cargo.

Para Vander, a virtual candidata do PT à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Roussef (ministra-chefe da Casa Civil), terá dois palanques em Mato Grosso do Sul: a do PT e a do PMDB.

Segundo o congressista, uma das maiores estrelas do PT, o ex-ministro e ex-deputado federal José Dirceu disse que não vê problema na desunião com o PMDB em Mato Grosso do Sul. Dirceu esteve em Campo Grande na sexta-feira passada e participou de agenda da corrente interna petista CNB (Construindo um Novo Brasil),

A chapa imaginada por Vander para as eleições de 2010 terá Zeca (candidato a governador), o senador Delcídio do Amaral (disputando a reeleição) e o deputado federal pedetista Dagoberto Nogueira (também concorrendo a vaga de senador), além de um empresário como vice-governador.

domingo, 8 de março de 2009

Dilma pode ter dois palanques em MS, sugere Zé Dirceu


Midiamax

“Se você pensar no resultado, sem eles [Zeca e Delcídio] se entenderem o PT não vai dar certo. Nem o Puccinelli vai aceitar aliança com o partido deste jeito. Você acha que ele vai querer um aliado enquanto o outro fica fazendo oposição?”, resumiu o ministro chefe da Casa Civil José Dirceu ao chegar para palestra a petistas no Cine Cultura, no shopping Pátio Avenida, em Campo Grande.

No local, ele se encontrou com o ex-governador Zeca do PT e com outros petistas como o presidente regional de legenda deputado Amarildo Cruz e o deputado federal Vander Loubet.

O ex-ministro que vista o Estado em um momento que as desavenças internas no partido voltaram à tona devido ao novo desencontro entre Zeca e o senador Delcídio do Amaral defendeu a unidade na sigla.

Dirceu considera que sem entendimento, o partido não se sairá bem nas próximas eleições. Na análise de Dirceu, o racha é ruim para qualquer caminho que o PT decida seguir, seja candidatura própria ou mesmo aliança com o PMDB.

Dirceu reconheceu que Zeca é uma liderança forte e tem o direito de pleitear o governo do Estado, porém não trouxe estímulo à candidatura própria como esperavam alguns petistas, por considerar tal decisão antecipada.

No entanto, Dirceu que foi presidente nacional do PT e, comenta-se que ainda tenha grande influência na legenda, esclareceu que não se pretende fazer imposições aos estados para beneficiar a virtual candidatura de Dilma Rousseff à presidência da República. “Mesmo porque o PT nem tem candidata, Dilma é pré-candidata”, salientou.

Dilma em dois palanques

Zé Dirceu não vê prejuízos à virtual candidatura de Dilma caso o PT decisa lançar candidato próprio ao governo. "Podemos até ter dois palanques no Estado", prevê, visualizando a possibilidade da ministra ter o apoio dos petistas e também de André Puccinelli (PMDB).

O ex-ministro admite que o objetivo nacional de eleger o sucessor de Lula é mais importante que as questões locais, porém não se pode forçar aliança com o PMDB onde não for viável localmente.

“Se aqui não der certo, haverá outros estados que poderão absorver o caso de Mato Grosso do Sul”, sugeriu.

Para ele, o PT local já tem uma chapa pronta para disputar as eleições, basta alcançar a unidade interna. “Tem o ex-governador e o senador Delcídio do Amaral”, salienta.

O Diretório Regional do PT já se decidiu em votação unânime pela candidatura própria. Mesmo, assim, o senador Delcídio do Amaral diz que aliança com o PMDB no Estado não é um passo improvável já que o partido deve priorizar o interessa maior que é o de oferecer um palanque forte para Dilma Rousseff.

Zé Dirceu que tinha outra reunião nesta tarde na sede da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação) desmarcou e deve seguir para Cuiabá (MT).

sexta-feira, 6 de março de 2009

Zeca do PT pedirá indenização ao governo Puccinelli

O ex-governador Zeca do PT confirmou que vai ajuizar na próxima segunda-feira às 9h30 ação com pedido de indenização por danos morais, causados à sua imagem pública, pelo governo André Puccinelli e promotores do Ministério Público Estadual.

Em nota, Zeca anuncia que estará primeiro no Fórum para ingressar com ação contra o Governo.

Às 11h, o ex-governador estará na Procuradoria Geral de Justiça, no Parque dos Poderes, para protocolar duas representações, uma criminal e outra administrativa, contra os promotores de Justiça Marcos Sottoriva, Silvio Amaral Nogueira de Lima, Marcos Fernandes Sisti, Jiskia Sandri Trentin, Clóvis Amauri Smaniotto e Gilberto Robalinho da Silva. responsáveis por denúncias de peculato.

O MPE acusa Zeca de durante a administração do PT no Estado, ter usado milhões em notas fiscais frias, emitidas por gráficas e agências de publicidade, para desviar dinheiro público.

Primeiro, a data para que a Justiça fosse acionada era 20 de fevereiro.
Dois dias antes, o TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) negou o pedido de apelação criminal feito pelo Ministério Público rebatendo a decisão da 2ª Vara Criminal de Campo Grande, que declarou a extinção de uma das ações movidas contra o ex-governador Zeca do PT por improbidade administrativa e mau uso do dinheiro público.

A ação de primeiro grau teve muita repercussão na imprensa por envolver o ex-governador e pessoas do alto escalão como o ex-secretário de Governo Raufi Marques e empresários de agências de publicidade de Campo Grande. Agora foi definitivamente trancada.

O relator da apelação, desembargador Gilberto da Silva Castro, disse que não acata o apelo do MP (Ministério Público), pois a extinção da ação penal cumpre o que determina acórdão proferido em habeas corpus pela Seção Criminal do Tribunal de Justiça.

Por conta disso, os desembargadores entenderam que o apelo do MP afronta o princípio da unirrecorribilidade das decisões. Além disso, Gilberto argumentou que se fosse possível a interposição do recurso de apelação do MP, sua análise implicaria a indevida reapreciação da matéria pelo mesmo órgão que proferiu a decisão anteriormente.

Em abril do ano passado, a Seção Criminal do TJ/MS já havia posto por terra tudo que já havia sido feito em relação à ação em estágio mais avançado proposta pelo MPE (Ministério Público Estadual) contra o ex-governador Zeca do PT, ex-servidores, empresários e profissionais de comunicação.

Por 3 a 2, os desembargadores da Seção Criminal confirmaram o habeas corpus que havia sido concedido em decisão liminar a Zeca, em 2007, trancando o processo por peculato aberto contra ele. O entendimento aceito, na época, era que MPE não tem poder de produzir provas e por isso primeiro deveria ter solicitado à Polícia Civil que investigasse o caso.

Fonte: campograndenews

quinta-feira, 5 de março de 2009

Delcidio: sonho coletivo do PT é o de reassumir o governo

Campo Grande News

Rachado, o PT de Mato Grosso do Sul vai ter disputa. O senador Delcídio do Amaral (PT-MS) afirmou nesta quinta-feira que o recuo do ex-governador Zeca no movimento dentro do partido pela união se deve a um projeto pessoal e impede qualquer possibilidade de acordo.

Zeca quer ter o comando do partido no Estado, para se viabilizar politicamente para as eleições de 2010. “Se algumas pessoas querem projetos pessoais, isso não cabe no PT”, afirmou Delcídio em entrevista à rádio FM Capital.

O senador sul-mato-grossense descartou a possibilidade de ser marcada uma nova reunião com Zeca. “Não temos mais tempo a perder, já perdemos muito tempo”, afirmou. “As militâncias não merecem ver essas inflexões que não resolvem nada. O posicionamento do ex-governador tem sido muito claro”, acrescentou.

Sem possibilidade de acordo, Delcídio ponderou que o PED (Processo de Eleições Diretas) deste ano poderá ser importante para o partido “sair mais forte do que entrou” e se preparar para as eleições de 2010.

Para o senador, o partido tem grandes nomes, como do ex-prefeito de Dourados, Laerte Tetila, o deputado estadual Paulo Duarte (apesar de ser ligado a Zeca, o parlamentar tem mantido conversas com o senador na busca de um entendimento), e o deputado federal Antônio Carlos Biffi.

Delcídio não deixou claro se esses nomes poderiam entrar na disputa pelo comando do partido. “Terão várias candidaturas (na disputa interna pelo diretório estadual), até pela riqueza de quadros que tem”, afirmou.

O senador reafirmou ainda que continuará dentro do PT, que é candidato à reeleição, e que existe um sonho coletivo no PT de voltar ao governo.